Informe do NMS de 23/09/2009

Esse encontro foi particularmente denso pois tentou amarrar as pautas em voga desde o início de nossas atividades no segundo semestre do ano. Tentamos organizar nossas reflexões e referências e nesse processo surgiu uma espécie de “quadro” analítico das personagens e seus contextos sociais.

Tudo isso foi acompanhado de uma pauta aflitiva e de certa forma angustiante: O quão Evoluídas estão as cidades? Como classificamos o nível de Evolução do nosso aglomerado orgânico? Evolução Social? Evolução Cultural? Evolução Política? Evolução Espiritual?

Reflexões:

Ainda no eco das discussões sobre Sanidade X Insanidade & Normalidade X Anormalidade; surgiram 4 “classes” de existência humana;

1) A Humanidade propriamente dita: geralmente ilustra em obras ficcionais o ponto de vista do expectador/leitor/platéia (enfim, a(s) mente(s) que absorve(m) e observa(m) a obra através de figurantes ou “pessoas comuns” que geralmente compõem mais o cenário do que o enredo propriamente dito (principalmente nas comics de super-heróis). Watchmen traz excelentes exemplos disso.

2) A Pós-Humanidade:  Mutantes (no Universo Marvel), Meta-Humanos (no Universo DC), ou o conceito “pós-humanidade” cunhado por Warren Ellis em sua visão sobre os Super-Heróis produzida para a WildStorm (AUTHORITY, Planetary, F.G. etc…). Inclusive o conceito (Pós-Humanidade) interpreta a idéia do “super-poder” aproximando-o da realidade palatável (embora com o sabor ocre e férreo de futurismo enferrujado), lidando com conceitos sociológicos como os do Aprimoramento Biológico (do ponto de vista Tecno-Genético) ou o de Evolução Social como resposta ao sistema de opressão pós industrial que vivemos. O exemplo mais patente é a Hiper-Sociabilidade que permite comunicação simultânea e transgeográfica mediante a interface virtual, como é heróicamente exemplicada em Frequência Global.

É claro que postos esses conceitos, foi preciso situar esses personagens em situações de conflito ou embate; especulou-se então as:

3) Anti-Humanidade: Aqueles organismos aparentemente humanos (ou humanóides) mas que vivem de sorver da vida dos outros. Parasitas Sociais. Os exemplos mais óbvios chamamos de Desmortos (vampiros, zumbis e mortos-vivos em geral). Mas e se esse “opositor” não for um Antagonista Direto, um Predador dotado de individualidade, mas uma prática comum, um Fenômeno Coletivo? Surgiu assim a sub-pauta:

Níveis de Consciência X (In)Consciênte Coletivo -> Existe uma Consciência Compartilhada em nível intuitivo? Em nível potencialmente inconsciente? Geralmente interpretamos Transe como algo positivo para a consciência, algo que transcende a capacidade de compreensão e agrega mais poder à percepção, mas pode existir algum fenômeno contrário de hipnose ou cegueira coletiva? Pode essa manifestação emergencial consumir a energia das pessoas, ou podar seu pleno desenvolvimento? Essa idéia foi primeiramente exemplificada com base da influência da Menade na segunda Temporada de True Blood. Mas haverão outras referências abaixo, em Citações.

Por fim, acrescentamos um último conceito para contrabalancear a Pós-Humanidade, mas que não apresenta uma inversão qualitativa de características potenciais, mas apenas um sentido oposto do ponto de vista histórico-cultural; trata-se da

4) Pré-Humanidade: Quer dizer, se há uma Pós-Humanidade; e se classificamos como Humanidade essa organização social vigente (Pós-Moderna, Pós-Industrial, altamente consumista, cosmopolita e pasteurizadora cultural); então consideremos o modo de vida Pré-Humano, ainda vivo e forte, embora sempre fora dos holofotes e da atenção da massa. Falo principalmente do antigo conceito de Primitivismo, velho companheiro das discussões NeoMitoSóficas…

Entre os exemplos de personagens que se aplicam aqui, consideramos os Trocadores de Pele (shapeshifters), toda uma gama de seres de “Eras Passadas” (fadas, elementais, gigantes e personagens folclóricas em geral) e por fim, acrescentamos uma clases de personagem intensamente discutida desde o último encontro do primeiro semestre desse ano: Os seres Prometéicos. E aqui vale uma ressalva: Os Prometéicos não foram citados por representarem necessariamente um modo de vida primitivo (embora processos primitivos quase sempre envolvam sua criação), mas por antecederem o “estágio” humano de existência, ou seja, um ser Prometéico quase sempre irá almejar “evoluir” até a condição humana. Por isso consideramos que eles estejam “antes” da humanidade. Importante ressaltar que essa posição de “antecedência à uma condição humana de existência” não traz consigo nenhum tipo de valorização da humanidade em si, nem a crença de que todos os pré-humanos (primitivos ou prometéicos) devam necessariamente evoluir para uma humanidade, como se isso fosse uma tendência natural. Para exemplos de Primitivos, recomendamos uma visita aos nossos encontros semanais, onde, pela oralidade primitiva poderemos trocar idéias e ascender fogueiras afim de esclarecer nosso entendimento sobre o conceito. Para exemplos de Prometéicos, o clássico de Mary Shelley Frankenstein, além de Der Golem, de 1920; ou Pinocchio de Carlo Collodi para as crianças.

Esperamos com essa pauta afinar nosso entendimento sobre o universo de existência de algumas personagens (neo) Mitológicas e afiar nossa crítica acerca dos esquemas, sistemas e valores da, assim chamada,  Humanidade Civilizada.

Diferente da humanidade vista como civilizada, surgiu a humanidade vista como um valor, que remete aos conteitos de moral, ética, honra, caráter, etc; essa humanidade pode ser uma das variáveis para os níveis de consciência discutidos anteriormente.

Citações:

normose – http://www.cuidardoser.com.br/normose-ou-anomalias-da-normalidade.htm

Filmes:

– A Invasão (2007) filme adaptado do livro “The Body Snachers” (1955) de Jack Finney.

– The Happening (2008) filme de M. Night Shyamalan.

– True Blood (em especial a segunda temporada).

– filme As Zumbis Strippers
– Romasanta (2004) produção espanhola sobre licantropia e o surgimento da psiquiatria
– filme – Elephant (2003)
– filme – Last Days (2005)
– filme – Avatar (mesmo diretor do titanic)
– The Maxx – Sam Kieth – série animada da MTV

-filme adaptação do yuki – lady snowblood
– como burlar o rapid-share – http://komikerbr.blogspot.com/2007/09/burlar-o-rapishare-esse-funciona-de.html

– Seriado do Vampire the Mascarade

Livros:

– Escritos de um Louco (Antoin Artaud).

– Julgle Book (Rudyard Kipling).

– Sítio do Pica-Pau Amarelo (Monteiro Lobato).

Música:

– “Maria dos Santos” de Alceu Valença (do álbum Espelho Cristalino).

– O álbum VIVO (também do Alceu) de 1976.

HQS:

– Marvel Fairy Tales (ver referências em http://en.wikipedia.org/wiki/Marvel_Fairy_Tales)

– Personagens Visão e Ultron (da Marvel); Tornado Vermelho e Amazo (da DC).

E é isso. Aproveitamos para convocar os leitores do blog NeoMitoSofia a participarem da nossa pesquisa sobre Cientistas Malucos e seres Prometeicos. Vamos Publicar a lista de personagens lembrados e suas respectivas referências em breve e esperamos não deixar ninguém de fora…

ABRAXUZ neomitosófilus

fritando a sombra e olhando a saída da caverna

ti<AN

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: